quinta-feira, 4 de junho de 2009

...

Alou malta!
Nem sei por onde começar... Bem, foi no blogue das Vozes da Rádio que vi o primeiro anúncio das Histórias do Sul. E tal, uma série de workshops dados por eles, a cultura portuguesa, a cultura brasileira... Pareceu-me interessante! Tal como eu, também a Ângela (violinista da minha turma) tinha reparado no mesmo. E pronto, lá fomos as duas perguntar informações ao senhor professor Jorge Prendas (muito nos atura ele, coitado). Disse-nos que a formação estava mais propriamente destinada a professores de música ou a alunos já no ensino secundário. Apesar disso, decidiu abrir-nos a excepção. Ai, se não o tivesse feito, o que iríamos perder!
E lá começou. Sendo eu a mais nova, com 14 anos, olhava o resto das pessoas com uma certa admiração pela sua capacidade de creatividade, improvisação, imaginação... Principalmente nas primeiras sessões, sentia-me pequena, não só em tamanho, mas sem que isso fosse de todo negativo. À medida que se iam passando mais sessões, lá continuava a sair da Casa da Música satisfeita e ansiosa de rever os vídeos neste blogue que entretanto foi criado. E que o dissessem os meus colegas de escola que já não me podiam ouvir a cantar o Saci, por exemplo.
Agora muito importante. Se para mim sempre havia sido motivo de lamentos o facto de não conseguir tocar flauta sem partitura à frente, dei por mim, a certa altura, a encontrar as notas certas para cada música, tendo apenas como referência a tonalidade das mesmas. Não parece uma grande coisa, obviamente. No entanto, para mim foi e é.
Para além da ajuda que foi em termos culturais (sim, descobi uma infinidade de coisas novas referentes ao Brasil), há que salientar aquilo que foi, porventura, o essencial destas Histórias do Sul: o contacto e atrevo-me a dizer, a amizade que travámos entre todo o pessoal envolvido no projecto. No meu caso, foi extremamente gratificante privar com gente com cultura e conhecimentos musicais imensamente superiores aos meus. E neste ponto em que falo de companheirismo, tenho de referir o nome de uma pessoa em especial, perdoem-me todas as outras... Mas lá está, a Renata ficou aquela amiga! Aquelas conversas, os almoços... Oh pá, a maior. Obrigada!
Bom, ainda àcerca desta 'viagem', devo dizer que nunca pensei que chegados a 1 de Junho, teríamos criado de raíz um concerto como o que fizemos. Enche-me de orgulho lembrar-me que fiz parte deste processo creativo e que contribuí - mesmo que com uma pequena parte - para ele.
Falta-me agradecer a toda a gente, desde os formadores - os cinco grandes que formam as incansáveis Vozes da Rádio (da qual sempre fui e serei fã), a todos os colegas formandos, técnicos (de som, imagem, etc.) e à Teresa Coelho - sempre prestável e cuidadosa.
Como acho já ter deixado transparecer, as Histórias do Sul deixaram uma marca na minha vida enquanto música e a nível pessoal. Tal como o Norberto, digo que a esta altura me correm as lágrimas forte e feio, de tal forma que no meio deste rio ainda vai aparecer o Boto... Tenho saudades de tudo e todos e ainda só passaram três dias! Não fazem ideia é da pena com que fiquei por não ter podido ir ao jantar... :'(
Uma coisa é certa, quem me dera que fizéssemos mais algum concerto! O que foi, foi estrondoso e fez o sucesso que fez, mas após tantos meses juntos, acabou por me saber a pouco.
E pronto chamem-me piegas, mas esta nostalgia é enorme... Enfim, já estou aqui a baba e ranho (falando a sério), só me resta dizer que não há palavras para descrever esta jornada... Simplesmente: HISTÓRIAS DO SUL POWER!
:')

Catarina Valadas **

6 comentários:

  1. Quantos anos tens??
    Tiveste ao nivel dos melhores! Parabéns Catarina! Beijo Grande!

    ResponderEliminar
  2. Oh, qual quê :P
    Fomos todos bons! :D
    Obrigada por tudo, foi um prazer...

    ResponderEliminar
  3. Se foi bom ... és aquela coisa garota =)

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  5. Em breve estarão aqui mais laguns registos desses dias quentes! Não percam!

    ResponderEliminar
  6. Concordo plenamente com o Tomi, Catarina!
    Estou certa de que muitas e boas surpresas nos irás proporcionar!

    E que trio "maravilha" se formou ao longo destas histórias..uma flauta, um violino e um piano!!:)
    Da partilha dos vários momentos nasceu a nossa amizade...que irá crescer, se Deus quiser!

    Até muito breve!:)

    ResponderEliminar